Em defesa da biblioteconomia

4 mar

Antes de começar este texto propriamente dito vale aproveitar o espaço que o blog permite e acabar com um dos mitos do jornalismo: a imparcialidade. Apesar da busca incessante pela verdade e por apontar os dois lados da história, todo profissional sempre abordará um tema com um olhar embasado em sua trajetória e seu repertório.

clipart bibliotecarioÉ bom também deixar claro que a minha vivência com uma bibliotecária – que ama seu trabalho – foi o mote para esta defesa em público de uma profissão estigmatizada e tão mal interpretada.

A capa da revista Época, de 21 de fevereiro, trazia a seguinte manchete: “Seu trabalho tem futuro?” com o subtítulo: “As profissões condenadas a desaparecer – e aquela que resistirão às novas tecnologias”. Mas, ao ler a matéria em si, não havia nenhuma informação sobre as profissões que poderiam desaparecer e sim um panorama daquelas que sobreviveriam ao avanço da tecnologia.

Para minha surpresa, um gráfico mostrava a relação das profissões que dificilmente desaparecerão e aquelas que estão com os dias contados. Na ponta da lista – prestes a desaparecer – estão: técnico em matemática, bibliotecário e operador de telemarketing com 99% de ameaça de não existirem mais.

Baseada no estudo americano “O futuro do emprego”, de Carl Frey e Michael Osborne, a matéria não diz claramente o por quê estas profissões tendem a desaparecer, mas aponta critérios para que terapeutas e psicólogos, por exemplo, não se preocupem com o futuro.

Segundo o estudo, “máquinas são menos capazes de superar: percepção e manipulação, inteligência social e criatividade” e por isso algumas profissões têm maiores chances de desaparecer.

O problema da matéria, em relação aos bibliotecários, é não ter ouvido o outro lado da história – princípio básico do bom jornalismo.

Coordenadora do curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FaBCI/FESPSP), Valéria Valls, explica a função do bibiotecário:

“O bibliotecário atua como um mediador entre a informação (que pode estar num suporte clássico como um livro ou até em fontes de informação na própria internet) e o usuário dessa informação. Costumo dizer que ele não é um mero “garçom”, que entrega o pedido, mas um “maitrê”, que deve conhecer muito bem o que é servido, o cardápio, as combinações”.

Como podemos ver, a profissão de bibliotecário vai muito além de simplesmente pegar um livro e emprestá-lo para um usuário. Só quem já ouviu falar de política de descarte e desenvolvimento de coleção pode entender que sim há futuro para os profissionais da área.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: