Tag Archives: Gabriel Duque

Liga dos Campeões: A maldição do campeão

1 maio

Por Gabriel Duque

Chegar ao topo é difícil, porém ainda mais complicado é se manter lá em cima. Parece conversa dos professores-técnicos, mas novamente um candidato ao bicampeonato caiu pelo caminho. Atual campeão da Liga dos Campeões da Europa, o Bayern de Munique foi atropelado pelo Real Madrid, acabou eliminado na semifinal do torneio deste ano e o sonho do bi foi embora.

real madrid comemora

Desde a temporada de 1992/93, que marca o início da era moderna da principal competição europeia, nenhum clube teve sucesso na busca pelo segundo título consecutivo. O time que chegou mais perto disso foi o Ajax, campeão na edição de 1994/95 sobre o Milan e vice no campeonato seguinte após perder nos pênaltis para a Juventus.

Antes disso, o último bicampeão aparece no longíquo torneio de 1989/90. O Milan, dono de sete títulos e segundo maior vencedor da Liga, levantou a taça em 1988/89 na final contra o Steua Bucareste e repetiu o feito em 1989/90 contra o Benfica.

milan campeao 1989 1990

Para efeito de comparação, o bicampeonato é tão raro que na Libertadores da América foi conquistado pela última vez pelo Boca Juniors em 2000 e 2001.

Clássico de Madri

O candidato ao bi não chegou à decisão neste ano, contudo Real Madrid e Atlético de Madri vão protagonizar um duelo repleto de curiosidades no estádio da Luz, em Lisboa, em 24 de maio. Time mais poderoso da capital espanhola, o Real volta à uma final após 12 anos em busca de seu décimo caneco. Já o Atlético do técnico Simeone, que eliminou o Chelsea na semi, vai disputar novamente o título da Champions após 40 anos – na edição de 1973/74 foi derrotado pelo Bayern.

cristiano ronaldo e diego costa

Pela primeira vez na história, duas equipes da mesma cidade vão se enfrentar na final e promover uma verdadeira invasão madrilenha em Portugal. Vale lembrar que já houve decisões entre clubes do mesmo país, como na temporada passada entre Bayern e Borussia Dortmund.

Em campo, também haverá um confronto particular entre os dois craques das equipes. Cristiano Ronaldo, eleito melhor do mundo em 2013, se tornou o maior artilheiro de uma única edição da Liga, com 16 gols, e Diego Costa, o brasileiro naturalizado espanhol, é a referência dos Colchoneros e já marcou 8 gols nesta Champions.

O Atlético ainda conta com uma superstição a seu favor: o fato de ter eliminado o Barcelona nas quartas de final. Nos últimos quatro torneios que o clube catalão não foi campeão, o responsável por sua queda ficou com o troféu. Manchester United (2007/08), Inter de Milão (2009/10), Chelsea (2011/12) e Bayern (2012/13) passaram pelo Barça e comemoraram a conquista do torneio.

atletico madrid 2

Técnicos

Comandante colchonero, Simeone também quebrou um tabu. O argentino será o primeiro técnico sul-americano na final da competição desde 2000/01, quando seu compatriota Héctor Cúper levou o Valencia até a decisão e foi derrotado pelo Bayern.

Falando em técnico, Mourinho, eliminado com o Chelsea pelo Atlético, acumulou sua quarta queda seguida nas semifinais. Pelo Real Madrid, o treinador caiu diante do Barça em 2010/11, perdeu nos pênaltis para o Bayern em 2011/12 e foi atropelado pelo Borussia em 2012/13.

simeone e mourinho

Anúncios

Negócio da China: jogadores brasileiros invadem o Oriente

4 mar

Por Gabriel Duque

Ídolo flamenguista, Hernane foi a mais recente tentativa de contratação de clubes chineses. O Shanghai Shenhua ofereceu R$ 11,2 milhões para comprar a metade dos direitos do artilheiro pertencente ao Rubro-Negro, que aceitou a transação. Mas o atacante recusou a proposta indo na contramão do novo movimento de peregrinação de atletas brasileiros.

Hernane

Depois de entrar na Europa, o futebol canarinho conquistou o Japão com a ida de Zico e de uma subsequente leva de atletas à terra do sol nascente. Na sequência, com a abertura dos campeonatos europeus à maior presença de estrangeiros, o Velho Continente foi invadido de vez pelos brasileiros. Foi um passo para a colônia brasileira se instalar também no Leste Europeu, principalmente, na Rússia e na Ucrânia. A Turquia também passou a ser destino e, por fim, o famoso “mundo árabe” repleto do dinheiro de xeiques empolgados em investir no esporte bretão.

Agora é a vez dos chineses contaram com o “pé de obra” brasileiro para ajudar no desenvolvimento do futebol local. Com investidores de peso, os clubes do país asiático têm contratado muitos talentos estrangeiros e já começam a colher frutos. Na última temporada, o campeão chinês, Guangzhou Evergrande, conquistou a Liga dos Campeões da Ásia e participou do Mundial de Clubes caindo na semifinal diante do todo poderoso Bayern de Munique.

O Guangzhou contava até o fim do ano passado com o meia argentino Dario Conca, que voltou ao futebol brasileiro para defender o Fluminense. Porém o clube ainda tem em seu elenco os brasileiros Elkeson, Muriqui e Renê Júnior, ex-volante do Santos, e Diamanti, da seleção italiana. Além deles, o técnico é Marcelo Lippi, campeão mundial pela Itália na Copa de 2006 e que recentemente renovou contrato com a equipe até 2017.

Os rivais chineses também não ficam atrás. O Shanghai Shenhua, que tentou contratar o Brocador, levou neste ano o zagueiro Paulo André, do Corinthians. Já o Shandong Luneng, atual vice-campeão chinês, começou 2014 com um pacotão brasileiro, levou o treinador Cuca, do Atlético-MG, o atacante Aloísio, do São Paulo, o volante Júnior Urso, ex-Coritiba e o meia argentino Montillo, ex-Santos. Isso sem contar com Vágner Love que já atuava pelo clube. Desses, só Montillo custou R$ 24 milhões aos cofres do time para ter metade do direitos.

montillo aloisio e cuca na china

Nesta última janela, o Botafogo foi um grande exportador para o país oriental com Rafael Marques indo para o Henan Jianye, Elias para o Jiangsu Sainty e Hyuri para o Guizhou Renhe. Anteriormente, os cariocas também negociaram Andrezinho com o Tianjin Teda. Ex-botafoguense, André Lima, com passagens também por São Paulo, Grêmio e Fluminense, voltou nesta temporada ao futebol asiático defendendo o Beijjing Guon, terceiro colocado no último campeonato chinês.

Além deles, outros tantos brasileiros menos conhecidos se aventuram pelas terras da nação mais populosa do mundo. Eninho e Rafael Coelho atuam no Changchun Yatai; Johnny, Kieza e Jailton Paraíba jogam pelo Shanghai Shenxin; Baré e Éder Lima defendem o Tianjin Teda; Eleílson integra o Jinagsu Sainty; Anselmo Ramon e Gilberto Macena estão no Hangzhou Greentown; Dori e Rodrigo fazem parte do Harbin Yiteng; Davi joga no Guangzhou R&F; e Bruno Meneghel defende o Dalian Aerbin.

Retrospectiva 2013 – Parte 2: Handebol, Nadal, Vettel e Armstrong

1 jan

Por Gabriel Duque

Dois escândalos envolvendo ídolos do esporte marcaram o ano. O ciclista americano Lance Armstrong confessou ter se dopado e perdeu seus sete títulos da Volta da França. Já o sul-africano Oscar Pistorius foi preso por matar a namorada a tiros em sua casa. Na sua versão, o atleta biamputado disse que atirou, pois achou que tinha um ladrão no local.

ARMSTRONG

No tênis, Rafael Nadal teve um ano impressionante. Recuperado de lesão no joelho que o tirou das quadras por sete meses, o espanhol conquistou dez títulos e voltou a ser o número 1 do mundo. Entre os feitos, o tenista faturou o troféu de Roland Garros pela oitava vez e o bicampeonato do US Open. Além dele, Andy Murray também conseguiu uma marca histórica. O escocês quebrou um jejum de 77 anos e se tornou o primeiro britânico a conquistar o título de Wimbledon após esse período.

Dois ídolos voltaram a ter conquistas importantes neste ano. O velocista jamaicano Usain Bolt levou o ouro nas provas dos 100 m, 200 m e o revezamento 4×100 m em Moscou, na Rússia, chegou ao oitavo ouro em Mundiais e se tornou o atleta mais vitorioso da competição.  Já o brasileiro César Cielo fez história em Barcelona ao ser o primeiro tricampeão dos 50 m nado livre na história do Mundial de Natação.

O Brasil também conseguiu uma façanha no Mundial de Handebol com a conquista inédita da seleção feminina. A vitória na final veio em cima da equipe da casa, a Sérvia, por 22 a 20.

brasil campeao mundial handebol

Nas pistas, Sebastian Vettel se sagrou tetracampeão da Fórmula 1 com quatro etapas de antecedência. No total, o alemão chegou ao lugar mais alto do pódio em 13 das 19 corridas. Ainda na categoria, Felipe Massa deixou a Ferrari após oito anos como piloto titular e irá correr na Williams em 2014 ao lado de Valtteri Bottas. Na Indy, os brasileiros tiveram ano de destaque. Tony Kanaan venceu as 500 Milhas de Indianápolis e Hélio Castroneves brigou pelo título até a última corrida, mas acabou com o vice.

E um ex-piloto está em situação crítica. O heptacampeão da F-1, Michael Schumacher, sofreu um grave acidente de esqui, teve traumatismo craniano e está em coma. Outro ídolo com final de ano complicado foi Anderson Silva, que teve uma séria fratura na perna na revanche contra Weidman no UFC e precisará de até seis meses para se recuperar.

Retrospectiva 2013: Super Bayern, domínio mineiro, tragédia e tapetão

31 dez

Por Gabriel Duque

O mundo esportivo em 2013 foi para lá de agitado com direito à recuperação da seleção brasileira com o título na Copa das Confederações e à inédita conquista do Brasil no Mundial de Handebol Feminino, mas também com o escândalo de Lance Armstrong, o fim do campeonato brasileiro no tapetão, a barbárie protagonizada por torcedores de Atlético-PR e Vasco nas arquibancadas e a tragédia de Oruro.

Bayern Mundial de ClubesDentro de campo no futebol, ninguém foi melhor no ano do que o Bayern de Munique. Ganhou quase todos os troféus possíveis: a Liga dos Campeões, o Campeonato Alemão e a Copa da Alemanha com Jupp Heynckes no comando, a Supercopa da Europa e o Mundial de Clubes com Guardiola como técnico.

Ao lembrar do Mundial no Marrocos, impossível não citar o fiasco atleticano ao cair nas semifinais contra o time da casa, Raja Casablanca, fechando o ano de forma um tanto melancólica. Apesar da decepção, o Atlético-MG teve um primeiro semestre dos sonhos com o título da Libertadores na vitória emocionante nos pênaltis sobre o Olímpia e com um futebol vistoso comandado por Ronaldinho, Bernard, Tardelli e Jô.

E o domínio mineiro prosseguiu em 2013 com a conquista do Campeonato Brasileiro pelo Cruzeiro com rodadas de antecedência. O Brasil também se reergueu dentro das quatro linhas e levantou o troféu das Confederações com uma vitória contundente sobre a Espanha por 3 a 0, retomando também a condição de favorito ao título da Copa de 2014.

2013, no entanto, ainda será lembrado por despedidas. O técnico Alex Ferguson anunciou sua aposentadoria, deixando o comando do Manchester United após 27 anos e 38 títulos. O astro inglês David Beckham foi outro que abandonou o gramado pendurando as chuteiras após ajudar o PSG a ser campeão francês. Neymar também se despediu….Foi embora do Santos rumo ao Barcelona para formar uma dupla de sucesso com Messi.cruzeiro cam peao brasileiro

Notas tristes também deram o tom. Em fevereiro, o adolescente boliviano Kevin Spada morreu no jogo entre Corinthians e San José, pela Libertadores, em Oruro, após ser atingido por sinalizados dentro do estádio. Doze torcedores do time paulista foram presos, mas um menor se apresentou à Vara da Infância em Guarulhos dias depois e assumiu a culpa pela tragédia. Assim, sete torcedores foram libertados em junho e os outros cinco em agosto.

A violência ainda manchou a última rodada do Brasileirão. Apesar de outros confrontos terem sido vistos nas arquibancadas durante jogos do torneio, as cenas de briga em Joinville foram chocantes com fortes agressões. A partida foi reiniciada após 1h15 da confusão e terminou com goleada do Atlético-PR por 5 a 1, o que decretou o rebaixamento do Vasco.

Falando em Série B, o Palmeiras conquistou o bicampeonato e voltará à primeira divisão em 2014. Já o Fluminense caiu em campo, mas uma lambança protagonizada pela Portuguesa ao escalar irregularmente o jogo Héverton levou a situação aos tribunais. No STJD, a Lusa foi punida com a perda de quatro pontos e teve a queda decretada. O imbróglio, contudo, deve ser resolvido em 2014, já que o clube paulista promete recorrer da decisão.

Por fim, já em ritmo de Copa do Mundo, em dezembro, na Costa do Sauípe, foi realizado o sorteio dos grupos do torneio. O Brasil está na chave com Croácia, México e Camarões. Finalistas em 2010, Espanha e Holanda caíram no mesmo grupo e podem cruzar o caminho canarinho nas oitavas. O temido grupo da morte também foi formado com a inédita presença de três campeões mundiais numa chave com Itália, Inglaterra e Uruguai.

sorteio copa

Mundial de Clubes: Galo, Bayern ou novo Mazembe?

11 dez

Por Gabriel Duque

Começa hoje mais uma edição do Mundial de Clubes com a óbvia expectativa pela final entre Atlético-MG, o campeão da Libertadores, e o Bayern de Munique, vencedor da Liga dos Campeões da Europa. No entanto, a abertura do torneio que acontece neste ano no Marrocos fica por conta do time da casa Raja Casablanca e o Auckland City, da Nova Zelândia e campeão da Oceania.

Atlético-MG campeao das LibertadoresOs marroquinos voltam a disputar o campeonato pela segunda vez. Em sua participação anterior em 2000, no Brasil, perderam as três partidas na fase de grupos. Já os neozelandeses vão para o seu quinto Mundial de Clubes após entrar em campo na competição em 2006, 2009, 2011 e 2012, acumulando cinco derrotas e duas vitórias.

Sem nomes conhecidos do grande público, as duas equipes tentam se classificar para enfrentar o Monterrey, do México. Este confronto decidirá o adversário do Galo na semifinal no dia 18 de dezembro. Os mexicanos não assustam tanto, mas preocupam, pois disputam seu terceiro mundial seguido.

Do outro lado da chave, iniciam a disputa o Guangzhou Evergrande, da China, e o Al-Ahly, do Egito. Estreante na competição, o campeão asiático conta com os brasileiros Muriqui e Elkeson e o argentino Conca, que voltará ao Fluminense em 2014. Enquanto isso, o campeão africano, do experiente atacante Aboutrika, também chega à sua quinta participação após ter jogado o torneio em 2005, 2006, 2008 e 2012, quando foi eliminado pelo Corinthians.

Bayern de Munique campeao Liga dos CampeoesO vencedor do embate vai encarar o poderoso Bayern de Munique, comandado por Guardiola e desfalcado de Robben, na semifinal no dia 17. Os alemães foram campeões mundiais em 1976 contra o arquirrival do Galo, o Cruzeiro, e 2011 em cima do Boca Juniors.  O Atlético busca seu primeiro troféu de campeão mundial e o 11° do Brasil. Santos em 1962 e 63, Flamengo em 81, Grêmio em 83, São Paulo em 92, 93 e 2005, Corinthians em 2000 e 2012 e Inter em 2006 já levaram o caneco.

O favoritismo é total dos bávaros e atleticanos, mas os adversários nem tão badalados se inspiram no exemplo do Mazembe, que eliminou o Inter em 2010, para tentar chegar à decisão em 21 de dezembro, às 17h30, no estádio de Marrakesh.

Palpitão dos grupos do Mundial de 2014 – Parte 2

8 dez

Por Gabriel Duque

Grupo E – avançam França e Suíça

A França foi a maior beneficiada pelo sorteio. Tinha tudo para ser a pior europeia e ir para o grupo da morte, porém a nova regra do sorteio a salvou e os Blues ainda foram parar numa chave com o pior cabeça (a Suíça), Equador e Honduras. Ribéry deve comandar a classificação e a promissora geração suíça de Xhaqiri deve avançar em segundo.

shaqiri e ribery

Grupo F – avançam Argentina e Bósnia

Nas condições normais de temperatura e pressão, Messi, Aguero e companhia vão atropelar os rivais da primeira fase. A Bósnia de Dzeko, Misimovic e Ibisevic tem vantagem na luta contra a Nigéria de Moses, que decepcionou na Copa das Confederações. O Irã é outro a fazer figuração.

messi, aguero e bosnia

Grupo G – avançam Alemanha e Portugal

Uma das seleções a lamentar o sorteio foi Gana, o melhor time africano com Essien, Asamoah e Kevin Prince Boateng, mas que caiu em um grupo muito forte. A Alemanha é a grande favorita, porém a chave é perigosa, já que todos os selecionados foram para as oitavas em 2010. Portugal conta com o atual melhor jogador do mundo Cristiano Ronaldo para avançar.  Os Estados Unidos não têm grandes estrelas, só que possuem uma base sólida e são comandados pelo alemão Klismann.

schweinsteiger, essien e cronaldo

Grupo H – avançam Bélgica e Rússia

A lógica indica a talentosa geração belga com Hazard, Lukaku e Fellaini e a Rússia comandada por Fabio Capello e do meia Dzagoev na próxima fase. A Bélgica, aliás, é uma das favoritas a surpreender na Copa. Argélia e Coreia do Sul são os patinhos feios da chave.

dzagoev e hazard

Inverteu! São Paulo sobe e Corinthians em crise

19 out

Por Gabriel Duque

tite e muricyEm pouco mais de três meses, foram disputados quatro clássicos entre São Paulo e Corinthians e o panorama dos dois times mudou completamente. Nos dois primeiros confrontos, o Timão mostrou uma enorme superioridade, conquistou o título da Recopa e iniciou a queda livre do Tricolor. No entanto, no quarto e mais recente duelo, os times empataram pelo Brasileirão e na rodada seguinte trocaram de posição na tabela, invertendo a crise de endereço.

Após os reveses iniciais diante do rival, o clube do Morumbi engatou sua pior sequência de derrotas na história, foi parar no fundo do poço, trocou de técnico, viveu de brigas públicas entre Ney Franco e Rogério Ceni e de Adalberto Batista com o goleiro e se viu na zona de rebaixamento com sério risco de cair para a Série B. Motivo de piada dos adversários, o time tricolor até ganhou um relógio contando os dias para o que seria a primeira queda da sua história.

Contudo veio uma nova troca de comando e Muricy Ramalho, aclamado pela torcida, parece conseguir colocar a equipe nos eixos. Com o treinador tricampeão brasileiro pelo clube, o São Paulo já soma seis vitórias, dois empates e três derrotas, pulando para o 12° lugar na tabela. Logo abaixo, na 13ª posição está o Corinthians, que vive dias para lá de conturbados.

Antes, na época da conquista da Recopa, tudo era maravilha e as perspectivas eram até de brigar pelo título nacional apesar do Alvinegro circular apenas pelo quinto posto da tabela. Mas com a venda de Paulinho, as lesões de algumas peças-chave como Renato Augusto e Guilherme e a queda de rendimento de outros tantos, o time do Parque São Jorge perdeu a linha e quase demitiu o Tite nesta semana.

Nos últimos tempos, o Corinthians acumulou seis derrotas, seis empates e só uma vitória. Nas últimas 10 partidas, marcou apenas um gol. O Timão, porém, tem grande chance de reagir já neste sábado em casa em jogo contra o Criciúma, que está na zona da degola. Já o São Paulo visita o Bahia neste domingo para tentar embalar na competição e livrar cada vez mais do fantasma do da queda.

Patrocinadores se beneficiam de estrelas do futebol

3 set

Por Gabriel Duque*

Propagandas com a participação de grandes jogadores de futebol não são mais novidade há tempos. Marcas como Nike e Pepsi se especializaram em produzir campanhas com diversas de estrelas. Os vídeos com temáticas inusitadas chamaram a atenção de torcedores e também de não-torcedores, foram sucesso na televisão e se tornaram virais na internet.

Apoiados nessa operação bem sucedida, cada vez mais as fabricantes de material esportivo investem em vídeos com seus atletas famosos e os patrocinadores dos clubes usam jogadores e técnicos em suas campanhas. Recentemente, o Bayern de Munique participou de uma empreitada dessas. A Paulaner, cervejaria que patrocina a equipe, idealizou uma ação de marketing com todos os jogadores e o técnico espanhol Pep Guardiola vestidos com trajes típicos da Baviera.

A ideia é promover a Oktoberfest, festa típica da região regada com muita cerveja que será realizada em outubro. Veja os bastidores da gravação neste link.

A Qatar Airways, patrocinadora do Barcelona, também divulgou uma campanha na qual o seu avião chega ao “país Barcelona”. Piqué como atendente da alfândega, Neymar como turista, Messi como professor de dança, Iniesta como pintor e Puyol destruindo o vaso com uma cabeçada participam do vídeo.  Confira:

Divertidas, curiosas e muito populares, essas campanhas são a nova forma de ganhar o torcedor/consumidor. Esperemos pela próxima.

* Gabriel Duque é jornalista formado pela Universidade São Marcos e trabalha como editor em uma empresa de mídia out of home,

Mercado de técnicos na Europa

23 jul

Por Gabriel Duque

Numa das maiores trocas de comando na Europa, nada menos que oito grandes clubes do Velho Continente mudaram de treinador para a nova temporada. Apesar da filosofia de continuidade do trabalho ser costumeiramente utilizada pelos times europeus, desta vez pelos mais diversos motivos a dança das cadeiras foi intensa.

Chelsea MourinhoNa Espanha, as duas super potências Real Madrid e Barcelona trocaram de técnico. No caso dos merengues, José Mourinho, desgastado com o elenco e com mais um insucesso na Liga dos Campeões, saiu dando lugar a Carlo Ancelotti. Já, na equipe catalã, a luta de Tito Vilanova contra um câncer o fez deixar o clube, abrindo espaço para o argentino Gerardo Martino, ex-Newell’s Old Boys.

O italiano Ancelotti veio após prolongadas negociações com o PSG, atual campeão francês e um dos novos ricos do futebol. O time de Ibrahimovic, Lucas, Thiago Silva e companhia trouxe para o posto vago o ex-jogador Laurent Blanc.

Mourinho, por sua vez, não ficou muito tempo desempregado e voltou para o Chelsea, que havia dispensado Rafa Benítez. Ainda na Inglaterra, o Manchester United perdeu Alex Ferguson, que, aos 71 anos, resolveu se aposentar, e contratou David Moyes, ex-Everton. Vizinho azul de Manchester, o City demitiu o italiano Roberto Mancini pela temporada sem títulos e fechou com o chileno Manuel Pellegrini após boa passagem pelo Málaga.

Guardiola Bayern de MuniqueQuem voltou à ativa depois de um período sabático foi o vitorioso Guardiola, que assume o supercampeão de Bayern de Munique. Ganhador de todos os títulos que disputou na última temporada, o time alemão já havia acertado com o ex-técnico do Barcelona antes das conquistas e acabou se desfazendo do treinador campeão Jupp Heynckes.

Faltou por último falar dos clubes italianos com a mudança significativa na Inter de Milão. Sem se classificar para as competições europeias, os nerazzurris substituíram Andrea Stramaccioni por Walter Mazzarri, que obteve bons resultados com o Napoli.

A Copa das Confederações vai começar

15 jun

Por Gabriel Duque

Está tudo pronto para o início do evento preparatório para o Mundial de 2014. Ou melhor está quase tudo preparado para a Copa das Confederações. As prometidas obras na área de mobilidade urbana, as ampliações e reformas de aeroportos e a melhora do sistema hoteleiro, entre outros, ficou apenas no papel.

Os estádios, sim, saíram do papel, mas, mesmo assim, apresentam problemas e ainda não estão nas condições ideais. Sem esquecer as obras de entorno das nossas arenas que estão para lá de inacabadas. No entanto, será desse jeito mesmo que a competição será disputada em solo canarinho.

Brasil, Itália, México e Japão integram o grupo mais equilibrado. Já Espanha, Uruguai, Nigéria e Taiti formam a outra chave. Neymar, Balotelli, Chicarito Hernández, Kagawa, Iniesta, Luis Suárez e Obi Mikel estarão em campo para brilhar por suas equipes.

Grupo A

Selecao Brasileira Copa das Confederações

Apesar da dificuldade do grupo, Brasil e Itália são favoritos para se classificar. O novo time de Felipão tenta se acertar, superar a pressão da torcida e dos críticos e se fortalecer para o Mundial. Já a Azzurra vem com a tradição e com o vice-campeonato da Euro de 2012. O veterano goleiro Buffon, o experiente meio-campista Pirlo e o atacante polêmico Balotelli são os principais nomes.

Primeira seleção garantida na Copa do ano que vem, a equipe japonesa tenta aprontar uma zebra de conseguir avançar no grupo. Os meias Honda e Kagawa são a aposta. Além da força nipônica, os mexicanos aparecem como ameaça mais perigosa, afinal tem um bom histórico recente contra o Brasil. Carrasco do time canarinho na final das Olimpíadas de 2012 e no título da Copa das Confederações em 1999, o México tem um elenco valioso com Chicarito, Peralta e Giovani dos Santos.

Grupo B

Espanha campea Eurocopa 2012

Do outro lado, a Fúria nem precisa de apresentações. Atual bicampeã europeia e campeã mundial, a Espanha vem como principal candidata ao caneco. Apesar de não viver boa fase nas Eliminatórias Sul-Americanas, o Uruguai quer fazer valer o bom retrospecto dos últimos anos com o 4º lugar no Mundial de 2010 e o título da Copa América. A equipe tem muitos nomes conhecidos dos brasileiros como Lugano, Forlán, Lodeiro, Suárez, Arévalo Rios e Cavani.

A Nigéria viria ao Brasil para brigar com o Uruguai, mas, depois da crise no selecionado por conta da falta de pagamento de premiação, deve só fazer figuração. Para piorar, seu principal atacante, Victor Moses, se lesionou e está fora do torneio. Por fim, o Taiti, pequeno país localizado na Polinésia Francesa, está aqui apenas para fazer um golzinho e sofrer menos goleadas possíveis. Para a nação em que o futebol não é nem profissional, disputar a Copa das Confederações já é um sonho.