Tag Archives: Rosana Hermann

#SMWSP – Imperdível!

11 set

Por Priscila Ota

Vai rolar entre os dias 24 e 28 de setembro o maior evento sobre mídias sociais do país: o “Social Media Week São Paulo”.

Do dia 24 ao dia 27, palestras, workshops e trocas de experiências acontecerão no Museu da Imagem e do Som (MIS), das 14h30 às 22h.

Já no dia 28, diversas atividades serão realizadas em importantes agências e empresas espalhadas pela cidade, dentre elas África, Boo-box e AgênciaClick.

O Social Media Week é um evento global que acontece concomitantemente em mais de 14 cidades pelo mundo, como Barcelona, Berlim, Chicago, Londres e Xangai, e São Paulo não ficou fora desta lista.

Será uma semana inteira dedicada à discussão sobre mídias sociais com os mais renomados profissionais da área. Os destaques para essa edição ficam por conta das palestras ministradas por Martha Gabriel, Gil Giardelli e Rosana Hermann.

Além disso, estão confirmadas as presenças de profissionais do Facebook, LinkedIn, Tumblr, Coca-Cola Brasil, Não-Salvo e YouTube NY no “Think Tank Stage”, um dos quatro palcos onde ocorrerão as atividades dentro do Museu da Imagem e do Som.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site. Lá também está disponível a programação completa da semana. Porém, é importante lembrar que as salas onde vão rolar as palestras estão sujeitas a lotação por ordem de chegada.

Para quem é vidrado no assunto (como a que vos escreve…), o Social Media Week é um prato cheio!

Para mais informações, acesse o site do evento.

Museu da Imagem e do Som – SP

Avenida Europa, 158, Jardim Europa

Fone: 11 2117-4777

http://www.mis-sp.org.br/

 

Surpresas da vida

4 fev

O post deste sábado já estava selecionado para ir ao ar, mas um episódio interessantíssimo aconteceu ontem e merece registro em nosso blog.

A audiência desta sexta-feira não estava das melhores. Pensei até que teríamos o menor número de acessos nos últimos dias. Eis que me lembrei do perfil do novo Ministro das Cidades no Twitter e fiz o texto.

Como achei o tema interessante, enviei uma mensagem para a Rosana Hermann, autora do livro “Um Passarinho me contou”. Ela então deu um RT, ou seja, compartilhou com seus seguidores.

Em minutos, o gráfico de audiência explodiu e alcançamos o recorde da semana. Obrigado a Rosana e ao insight do dia, que nos ajudou a sair do marasmo.

Esbarrei no bit.ly

8 nov

Não me lembro como esbarrei com o “Desafio da Rosana”. Sou um assíduo “Querido Leitor”, mas não tenho o hábito de ver o blog da Rosana Hermann à noite. Enfim, ontem fui instigado a concorrer a dois ingressos para a Campus Party 2012.

Depois de tomar conhecimento do post, resolvi tentar. Ao ler a primeira instrução – nem sequer sabia que se tratava de uma música de Luiz Gonzaga – logo lembrei-me de um episódio do Castelo Rá-Tim-Bum no qual o dilema do troco era apresentado.

Abaixo a música de Luiz Gonzaga:

Não hesitei e mandei o e-mail. Não é que havia rompido a primeira etapa? Logo em seguida, a minha memória fotográfica foi colocada à prova. E assistir BBB de vez em quando ajuda! A participante Estela (da primeira edição) era a chave para a próxima etapa.

Cheguei então ao terceiro nível do desafio. Segui todos os procedimentos e googlei para descobrir o coletivo de borboleta. Ao ver o resultado, recordei-me que já sabia a resposta, apesar de não ter lembrado na hora.

Uma vez, a professora de Língua Portuguesa Nely, já na faculdade, resolveu testar a nossa capacidade com coletivos. Pelo que se pode perceber, o dado não tornou-se conhecimento (obrigado Rodrigo Leite!).

Mas aí parou a minha odisséia pela internet. Não compreendi a “customização do link no bit.ly” a qual a Rosana havia se referido e fiquei fora da disputa. Hoje ao ler o post explicativo, entendi o que faltou.

No entanto, eu que sempre gostei muito de “caça ao tesouro” fiquei impressionado com a versão transmídia – como a Rosana batizou a gincana. Gostei mesmo. Apesar de não ter concluído o desafio, fiquei contente por tentar e relembrar assim como uma colcha de retalhos, fatos da infância e da vida em si, mostrando todo o repertório conquistado.

Agora na ansiedade por outros desafios. Mesmo que seja apenas para tentar.

P.S. Em tempo, o título provisório deste post – caso eu tivesse conseguido solucionar a charada – seria: Castelo Rá-tim-bum, BBB, Nely e a Campus Party.

Para acrescentar informações ao nosso texto:

– Aqui um post bem interessante do “Ideia Fix” sobre as 50 coisas que aprendi com o Castelo Rá-tim-bum.

E aqui o resumo do livro “Um passarinho me contou“, da twitteira Rosana Hermann.

 

Dia do Estudante

11 ago

Hoje recebi uma mensagem do meu amigo Wellington Nascimento parabenizando-me pelo Dia do Estudante. Sim, já deixei de ser um aluno matriculado há dois anos, mas tenho alma de estudante e como a vida é um processo de aprendizagem contínuo, agradeci a lembrança.

Pois bem, curiosamente ao ler o blog Querido Leitor da Rosana Hermann, vi ela citar a frase “Estudar Vale a Pena” em um post sobre o valor da educação para todos.

Fiquei tão contente em ler o texto que tomei a liberdade de publicar aqui no Leia e Opine. Sim, concordo em gênero, número e grau com a Rosana: a ‘escola pode transformar uma pessoa’.

Também sou um exemplo prático do que o ensino pode proporcionar em nossa trajetória tanto pessoal quanto profissional. Ao meu ver, a educação é uma porta para o imenso mundo que há lá fora.

Estudar nunca é demais. Estar atualizado e antenado com o nosso cotidiano é a melhor maneira de lutar por nossos direitos.

Todos temos o direito de estudar e mais do que isso, temos o direito a lutar por melhores condições de educação para as crianças e os jovens.

Entre nesta campanha, você também: Estudar vale a pena.

A MAIOR BARRIGADA DO SÉCULO

28 jun

O uso da letra maiúscula no título é proposital. Há pouco mais de meia-hora o signatário deste blog entrou na onda e acabou mandando Amin Khader para o andar de cima antes da hora. Aqui fica o pedido de desculpas ao público e ao humorista.

No entanto, esta história nos leva a algumas reflexões. A primeira: o apressado como cru. Este antigo dito popular vale muito para expressar a máxima que impera hoje no Jornalismo online.

Em nome de um furo – notícia exclusiva – muitos profissionais acabam dando uma verdadeira barriga – jargão jornalístico para inverdade. Ou seja, nesta terça-feira, o Twitter foi a base para a maior Barrigada do Século.

O meu erro foi ter acreditado no que estava em alta no Trending Topics e não ter checado a notícia – princípio fundamental do jornalismo. Mas, assim como este blog grandes portais endossaram a versão do promoter David Brazil – o mesmo que havia a anunciado a morte de Lacraia.

No entanto, no mesmo Twitter a webpersonalidade @hugogloss dizia ter visto o Amin correndo na praia nesta terça, assim como a Rosana Hermann que também não embarcou na história, ao contário do R7 – portal da Record onde trabalha o humorista – que confirmou a ‘morte’ do humorista.  

Fica aqui o registro da barrigada coletiva, o pedido de desculpas e as lições aprendidas: antes de divulgar cheque, não acredite somente em uma fonte e mais do que isso, o Twitter é uma ferramenta e não um oráculo, onde tudo que é dito torna-se verdade.

Leia e pesquise antes de assistir

27 jun

Sábado foi dia de ir ao cinema com a Helô Spolador. A princípio a ideia era assistir “Carros 2”, mas condições alheias a nossa vontade, nos levou a comprar ingressos para “Meia-noite em Paris”, de Woody Allen.

Confesso que não me recordo de ter assistido algum filme do diretor, mas o longa em questão vale a ida ao cinema. No entanto, antes uma recomendação: para não perder algumas ‘piadas internas’ leia – e muito sobre – a vida boêmia da capital francesa no início do século XX.

Alguns nomes são notórios até para desavisados como eu – caso de Picasso, Salvador Dalí e Paul Gauguin – mas, outras citação como: Zelda e Scott Fitzgerald, Ernest Hemingway, Joséphine Baker, Gertrude Stein,T.S.Elliot, Toulouse-Lautrec,Degas, Cole Porter e Matisse criam um certo ar de interrogação.

Curiosamente, a Rosana Hermann também foi ao cinema este final de semana e assistiu ao “Meia-Noite em Paris”. Devo a ela a citação dos nomes acima e este post, afinal de contas não conseguiria lembrar tantos nomes assim. 🙂

Emoção

3 jun

A sexta-feira foi de grandes emoções para o signatário deste blog. Após postar o texto sobre o livro “Um passarinho me contou”, tive a grata surpresa de ter o link divulgado pela própria Rosana Hermann em seu Twitter.

Em questão de instantes, a audiência de nossa página atingiu níveis super positivos e neste momento em que escrevo estas palavras, posso anunciar que passamos dos 7 mil acessos – segundo dados do WordPress – desde o nosso início na blogosfera.

Este texto, tem na verdade um valor metalinguístico. Poderia enviar um e-mail para a Rosana agradecendo o seu twitt – muito valioso para mim – mas, achei por bem utilizar a mesma ferramenta e dizer por aqui: obrigado Rosana pelo twiit e mais ainda pelo carinho para com este blogueiro.

Um passarinho me contou

3 jun

Nosso post começa na terça-feira, 31, quando eu saí aqui do trabalho e fui até o Shopping Pátio Higienópolis prestigiar o lançamento do livro “Um passarinho me contou”, de Rosana Hermann.

Como a fila para os autógrafos estava longa e eu tinha outro compromisso, não consegui pegar a assinatura, mas acredito que ainda terei outras oportunidades para ver o meu livro autografado.

Lembro-me pouco da Rosana de sua época de televisão, mas há dois meses mais ou menos tornei-me um assíduo ‘querido leitor’. Sim, por indicação do Akio Uemura passei a acompanhar o trabalho da autora em seu blog no portal R7 – fonte de inspiração para o nosso espaço aqui. Foi lá que descobri a data e o local do lançamento da obra.

Livro esse que será muito útil para a minha futura dissertação. Pretendo analisar o Twitter como fonte de informação para o jornalismo. Isso mesmo, o “Um passarinho me contou”, cujo subtítulo é: relatos de uma viciada em Twitter, conta a paixão de Rosana pela ferramenta mais popular da internet nos últimos anos.

Para começar digo que o livro valeu cada centavo pago. Com uma linguagem simples, objetiva, direta e clara, a obra pode ser bem entendida por um usuário avançado ou por uma pessoa que crie o seu perfil hoje mesmo.

Além de várias dicas importantes para facilitar o uso da ferramenta, Rosana apresenta dados e reflexões que fazem da obra uma grande valia para o leitor. Só para se ter uma ideia, os capítulos curtos e diretos resumem bem a essência da objetividade: li e entendi o livro em três dias, sendo que tive apenas poucas horas para fazê-lo.

Outro ponto que chamou a minha atenção está relacionada à formação acadêmica de Rosana. Afinal de contas só uma física conseguiria unir as leis de Newton, o movimento browniano e partículas suspensas de gás em um livro sobre Twitter.

Para concluir, fica aqui a minha recomendação. Quem busca entender o que é o Twitter e quais as suas funcionalidades, vá agora a livraria e compre já o seu exemplar. Ao final do livro, a @rosana pede que quem gostou de um RT. Aqui vai o meu.