Tag Archives: Londres 2012

Mulheres Olímpicas

15 jul

Após 112 anos da primeira participação feminina nos Jogos Olímpicos em Paris-1900, as mulheres entram para a história nesta edição que terá como sede a cidade de Londres.

Pela primeira vez todos os países presentes nos Jogos serão representados por delegações compostas por homens e mulheres. O feito aconteceu após Arábia Saudita, Brunei e Catar confirmarem a presença feminina em suas equipes.

E as quebras de paradigmas nestas Olimpíadas não param por aí. Pela primeira vez, a delegação feminina americana será maior que a masculina. Dos 530 atletas, 269 são do sexo feminino e 261 do masculino.

Já na delegação brasileira dos 259 atletas, 123 são mulheres, entre elas Maurren Maggi que luta para se tornar bicampeã no salto em distância.

Maurren Maggi

Anúncios

16º Cultura Inglesa Festival

22 maio

A partir da sexta-feira, 25 de maio, até o dia 30 de junho, a arte e a cultura britânicas invadirão diversos pontos do estado de São Paulo. Além da capital, Campinas, São José dos Campos, Santos e Sorocaba receberão atividades gratuitas do 16º Cultura Inglesa Festival.

Apresentações de filmes, shows, exposições e outras manifestações artísticas levarão o melhor da cultura britânica para os paulistas. Em pleno ano das Olimpíadas de Londres, haverá espaço para também para os esportes.

Para ficar por dentro de todas as atrações, locais e horários, clique aqui e acesse o site com a programação completa.

Em busca do 1º ouro

24 abr

Foi definido na manhã desta terça-feira, 24, o caminho da seleção brasileira rumo ao tão sonhado ouro olímpico no futebol masculino.

A equipe de Mano Menezes e Cia. caiu no grupo C ao lado de Bielorrúsia, Nova Zelândia e Egito contra quem o time canarinho fará sua estreia em 26 de julho, em Cardiff, no País de Gales.

No grupo A, a anfitriã Grã-Bretanha enfrenta Senegal, Emirados Árabes Unidos e Uruguai. Já no B o cabeça de chave México pega Coreia do Sul, Gabão e Suíça. Por fim, o grupo D conta com Espanha, Japão, Honduras e Marrocos.

Feminino – Nesta terça-feira também foram definidas as chaves da disputa entre as mulheres. O time de Marta ficou no grupo E ao lado das donas da casa, Nova Zelândia e Camarões. No grupo F se enfrentam Japão, Canadá, Suécia e África do Sul. E no G jogam França, Estados Unidos, Colômbia e Coreia do Norte.

 

Olimpíadas X Guerra

23 abr

Na Antiguidade, os Jogos Olímpicos eram festivais religiosos e esportivos onde os povos gregos se reuniam para celebrar Zeus. Por diversas vezes, guerras eram interrompidas para a realização das atividades.

No entanto, desde a criação dos Jogos da Era Moderna, em 1896, na cidade de Atenas na Grécia, três edições foram canceladas devido à guerra.

Os Jogos programados para Berlim, em 1916, não aconteceram em virtude da Primeira Guerra Mundial. Já as Olimpíadas previstas para Helsinque, em 1940 e Londres-1944 não foram realizadas por causa da Segunda Guerra Mundial.

Mesmo canceladas em virtude das guerras, o COI (Comitê Olímpico Internacional) considera as Olimpíadas em sua contagem oficial. Dessa forma, os Jogos de Londres, neste ano, são os 30º da Era Moderna.

Londres a caminho dos Jogos

23 abr

Por Gabriel Duque

Faltando menos de 100 dias para a realização dos Jogos Olímpicos de Londres, que terão seu início em 27 de julho, o clima começa a esquentar para a disputa. Dentre os mais de 10.500 atletas de 205 países que participarão da competição, os grandes astros já chamam a atenção tanto na preparação para o evento quanto nas declarações.

O velocista jamaicano Usain Bolt, dono de três medalhas de ouro em Pequim, já disse que quer se tornar uma lenda viva na capital britânica. Enquanto isso, a russa Yelena Isinbayeva, bicampeã olímpica, com ouros em 2004 e 2008 no salto com vara, esnobou as adversárias, inclusive a brasileira Fabiana Murer, e afirmou que só perde o posto mais alto do pódio para ela mesma.

Se fora das quadras e pistas o clima de rivalidade esquenta para Londres, a organização segue com os preparativos para deixar tudo perfeito para a 30ª edição dos Jogos. Já são mais de 8,8 milhões de ingressos vendidos para os eventos esportivos e mais de 21 mil jornalistas e técnicos credenciados para a cobertura. Além disso, a infraestrutura também se destaca.

O Estádio Olímpico, construído na região de Strattford, no leste da capital, tem capacidade para 80 mil pessoas; o centro aquático desenhado em forma de onda comporta 17.500 espectadores; e o velódromo impressiona pelo projeto futurista. Os torneios de tênis serão disputados na tradicional grama de Wimbledon, enquanto o futebol pisará no famoso estádio de Wembley. Já a maratona passará pela alameda The Wall, que chega ao Palácio de Buckingham.

No total, foram investidos quase 11 bilhões de euros, o triplo do previsto em 2007, sendo 662 milhões apenas com a segurança. O retorno para a cidade fica por conta dos 7,5 bilhões injetados para melhorar o transporte; da reserva de metade dos 2.800 apartamentos da Vila Olímpica para a população de baixa renda; da despoluição dos rios, dos aquíferos e do solo da região do Parque Olímpico, em Strattford; e da revitalização desta parte de Londres, que, segundo os organizadores, passou em cinco anos por uma transformação que demoraria 30 anos.

Agora, em maio, começa o revezamento da tocha olímpica que seguirá pelas mãos de mais de 8 mil britânicos até chegar à cerimônia de abertura do evento. E que venham os Jogos!

 

E segue a disputa

19 fev

A história não é nova, mas começa a ganhar outros contornos. Desde o ano passado, a hipótese vem sendo levantada, mas parece que agora o assunto está em andamento adiantado.

É fato notório a batalha pela audiência entre as duas maiores emissoras de TV do país, Globo e Record, conforme retratado em vários posts aqui anteriormente.

Também é de conhecimento de todos que a compra dos direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos de Londres exclusivamente para TV aberta pela emissora paulista foi um duro golpe na líder de audiência.

Pois bem, a Rede Globo parece não estar disposta a ver seu público se esvair para a concorrente durante a disputa olímpica. Notícia veiculada ontem no UOL afirma que a emissora do Jardim Botânico fez um convite para o Barcelona – atual campeão mundial – jogar um torneio amistoso no Brasil.

A ideia é unir o time de Messi & Cia. em um campeonato contra os dois clubes de maior torcida no país – Flamengo e Corinthians. A disputa seria justamente na época da Olimpíada, entre 27 de julho e 12 de agosto.

Agora resta saber se o time espanhol aceitará o convite, como será a disputa dentro de campo e principalmente como reagirá a audiência brasileira com o esporte preferido da nação e grandes nomes do cenário internacional disputando espaço com as categorias olímpicas.

 

Está dada a largada: rumo a 2020

3 set

Encerrou-se na quinta-feira, 1 de setembro, o prazo para que os Comitês Olímpicos Nacionais apresentassem as cidades postulantes à sede da 32ª Olimpíada da Era Moderna, a ser disputada em 2020.

Com a inscrição de Baku, capital do Azerbaijão, são seis as candidatas a receberem os Jogos da depois da edição do Rio de Janeiro. Estão na disputa: Roma (Itália), Madri (Espanha), Istambul (Turquia), Tóquio (Japão) e Doha (Qatar).

Com exceção de turcos e italianos, as outras quatro cidades haviam manifestado o interesse para acolher a edição de 2016, mas foram superadas pelos cariocas. A escolha da sede dos Jogos de 2020, acontecerá na cidade de Buenos Aires, em 7 de setembro de 2013.

Baku – Localizada na região do Caúcaso, a capital do Azerbaijão tenta pela segunda vez ser sede olímpica. Com pouca expressão esportiva, a cidade conta com as grandes exportações de gás e petróleo do país para acolher os Jogos.

Roma – Sede dos Jogos de 1960, os italianos já tentaram receber a competição em 1948 e 2004, mas foram superadas por Londres e Atenas, respectivamente.

Madri – Derrotada na última rodada no pleito contra o Rio de Janeiro, a capital espanhola já disputou a sede de 1976 (mas perdeu para Montreal) e 2012 (sendo superada por Londres). Vale lembrar que a Espanha já acolheu uma Olimpíada em 1992, na cidade de Barcelona.

Istambul – Principal cidade turca, a antiga Constantinopla entra no páreo pela sede dos Jogos Olímpicos pela quinta vez. As outras tentativas foram em 2000 (com a vitória de Sydney), 2004 (Atenas), 2008 (Pequim) e 2012 (Londres).

Tóquio – Sede da edição de 1964, os japoneses querem mostrar a superação do país após o tsunami do início deste ano e receber a competição pela segunda vez em sua história.

Doha – Embalado pela conquista da sede da Copa do Mundo de 2022, o Qatar busca a dobradinha no calendário com a entrada de sua capital na disputa pela sede de 2020. Derrotada na corrida por 2016, após apresentar projeto com data de realização dos Jogos fora do estabelecido pelo COI, o país agora recebeu autorização especial para concorrer. Caso seja escolhida vencedora, Doha pode acolher os Jogos no mês de outubro, fugindo assim das altas temperaturas do verão no Oriente Médio.

 

Renovação

20 ago

Por Gabriel Duque

Mano Menezes assumiu a seleção brasileira com o compromisso de fazer uma renovação, trazendo jogadores jovens para o time e pensando no inédito e tão sonhado ouro olímpico nos Jogos de Londres, em 2012. Já se passou um ano com o treinador, foram 13 partidas disputadas e dez convocações realizadas.

Possíveis protagonistas do Brasil nos Jogos de 2012: Ganso, Neymar, Pato e Lucas

Durante o trabalho, 14 atletas com idade olímpica tiveram chance com o treinador. Vale lembrar que, nas Olimpíadas, só podem ser utilizados jogadores até 23 anos, mas há a oportunidade de levar três atletas acima deste limite.

Os convocados por Mano com idade olímpica são: os goleiros Gabriel (Cruzeiro), Neto (ex-Atlético-PR e atualmente na Fiorentina) e Renan (ex-Avaí e hoje no Corinthians); os laterais Rafael (Manchester United) e Danilo (Santos); o volante Sandro (Tottenham); os meias Lucas (São Paul), Paulo Henrique Ganso (Santos), Douglas Costa (Shakhtar Donetsk) e Philippe Coutinho (Inter de Milão); e os atacantes Neymar (Santos), Alexandre Pato (Milan), Leandro Damião (Internacional) e André (ex-Santos e atualmente no Atlético-MG).

Fundamentalmente, faltam opções para a zaga e para a lateral-esquerda. Para a posição de ala, pode-se recorrer à equipe sub-20 do Brasil, que está na final do Mundial da categoria, contra Portugal. Alex Sandro, do Santos, que se destacou no Sul-Americano e era titular, acabou cortado por lesão, mas Gabriel Silva, do Palmeiras, herdou a vaga e vem fazendo um bom papel. Também não se pode esquecer o lateral-esquerdo Fábio, do Manchester United, que terminou a última temporada europeia como titular.

Para compor a defesa, o time sub-20 não oferece muita segurança. O capitão Bruno Uvini, do São Paulo, não passa confiança, enquanto Juan, do Internacional, apesar de promissor, se mostra um tanto nervoso e atabalhoado em determinados lances. Pode ser neste setor do campo o momento de escolher jogadores mais experientes. Thiago Silva e David Luiz, ambos convocados com freqüência para a seleção principal, formariam uma ótima dupla.

Na seleção brasileira no Mundial Sub-20, goleiro Gabriel, lateral Danilo (camisa 2) e meia Philippe Coutinho (camisa 10) já foram convocados por Mano

O restante do elenco poderia ser composto pelos jovens da sub-20, como o volante Fernando, o meio-campista Casemiro, o armador Oscar e o atacante Henrique.  De fato, a geração é bastante promissora e tem boas chances de alcançar o almejado ouro olímpico. E, se o técnico do time em Londres for Ney Franco, que vem fazendo um ótimo trabalho no Mundial Sub-20, vejo ainda mais possibilidade da medalha dourada ser conquistada pelo Brasil.

A volta da Celeste Olímpica

10 fev

Após 84 anos longe da disputa do futebol masculino, a seleção uruguaia carimbou o passaporte para os Jogos Olímpicos, que serão realizados ano que vem, em Londres.

Apelidada de Celeste Olímpica, por ter conquistado as medalhas de ouro nos Jogos de Paris, em 1924 e Amsterdã, 1928, o time uruguaio venceu a Argentina por 1 a 0 no sul-americano sub-20 disputado no Peru e assumiu a liderança do hexagonal final.

Agora a segunda vaga nos Jogos de Londres é disputada pela seleção brasileira, que precisa apenas de um empate contra os uruguaios no domingo, e pela equipe da Argentina que precisa vencer a Colômbia e ainda tirar uma diferença negativa de seis gols em relação aos brasileiros.